quarta-feira, 7 de setembro de 2011

PARÓDIA DO ALUNO ROGÉRIO 8º B JUNTAMENTE COM SUAS CRÍTICAS

Paródia da música Arreia a rachadinha.


Bota a camisinha.

Ô, lá vem a DST comendo no centro (pega a camisinha)

Eu quero ver você se proteger (bota a camisinha).

Lá vem a AIDS comendo no centro (pega a camisinha)

Bota a caminha (15 X)

Ô, bota a camisinha que eu quero ver (pra não nascer bebê)

Mas presta atenção pra não errar (se não a camisinha vai estourar)

Bota a camisinha que eu quero ver (pra não nascer bebê)

Ô, presta atenção pra não errar (se não a camisinha vai estourar)

2 X Cuidado pra não engravidar, se não vai querer abortar

       Cuidado pra não abortar, se não vai chorar.

Bota a camisinha (15 X)


Crítica:

Eu acho essa música uma ‘discaração’, insiste no sexo, palavras de duplo sentido, não tem conteúdo, ensina as crianças e jovens tudo que não presta, expõe as mulheres ao ridículo, tratam as mulheres como objetos descartáveis. Esses assuntos deviam e devem ficar entre quatro paredes.

Comparando com a Marchinha de Carnaval de antigamente Cachaça não é água não

Esses pagodes não têm nada de orientador, como as marchinhas de carnaval de antigamente que eram alegres e animadas. Mas esses pagodes só têm coisa vulgar, de baixo escalão, traduzindo: nada que preste!

Rogério de Jesus 8º ano B – Escola Hildete Bahia


Trabalho para a disciplina Cultura Baiana com a professora Leila Garrido.

domingo, 4 de setembro de 2011

Palestra com Rejane Calixto (CTA)






Aconteceu no dia 15 de Julho de 2011, a galera ficou bem atenta e muito participativa, afinal todos tinham o que opinar sobre as DSTs e HIV/AIDS, todo mundo antenado! 8º anos A e  B estão de parabéns!
Profª Leila Cristina

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Produção dos Alunos

video
Gravidez X Camisinha!


video

Progama Zorra Total

Tarefa solicitada pela professora de português Daniele:

Objetivo:

Atrelar os conceitos de denotação e conotação aos elementos propagandísticos e de publicidade propostos por uma unidade de trabalho do livro didático.

Foram adotadas três vertentes: programa de tv (publicidade, bordão, jingle), comercial de tv (reprodução ou criação de peça publicitária) e programa de rádio (adequação vocal e elaboração textual). Qualquer uma dessas vertentes adotadas deverá explicitar, em si, traços de denotação e conatação.
Para que a manisfestação da linguagem seja mais rica, uma vez que eu já trabalhamos a elaboração oral e gráfica.
Ao apresentar em forma de dramatização os consteúdos o alunos trabalham também a expressão corporal. A temática, os programas e peças publicitárias ficaram a cargo da livre escolha dos grupos. Após a apresentação dos mesmos, fizemos a apreciação crítica na coletividade.

Alunos do 8º ano B

quinta-feira, 26 de maio de 2011


Assista ao vídeo acima, uma Propaganda de Presevativo (Camisinha).

Agora leia o texto abaixo:


Bento XVI critica na África uso da camisinha para evitar aids

Juan Lara. 17/03/2009 - 18h15

Yaoundé, 17 mar (EFE).- Bento XVI chegou hoje a Yaoundé, onde expressou sua oposição ao uso da camisinha como forma de combater a aids e denunciou que a África sofre "de maneira desproporcional" com fome, pobreza e doenças, e que seus habitantes "imploram a fortes vozes" por reconciliação, justiça e paz.

Onze anos depois da última visita do papa João Paulo II à África, Bento XVI pisou hoje pela primeira vez no continente, e, já no avião que o levava de Roma até Yaoundé, primeira escala de sua viagem de uma semana que inclui também Angola, falou sobre um dos grandes flagelos africanos: a aids, que afeta 27 milhões de pessoas.

O pontífice afirmou que a doença não pode ser combatida somente com dinheiro - apesar de ter destacado que os investimentos para lutar contra a aids são necessários -, nem "com a distribuição de preservativos, que, ao contrário, aumentam o problema".

Segundo especialistas, esta foi a primeira vez que um papa disse publicamente a palavra "preservativo". Até agora, o termo usado mais correntemente era anticoncepcionais.

A aids, segundo o papa, pode ser vencida com "uma humanização da sexualidade, uma renovação espiritual, que comporta uma nova forma de comportamento de uns com os outros", e através da amizade, disponibilidade e amor aos doentes.

A capacidade de sofrer com os que sofrem é a resposta oferecida pela Igreja, acrescentou o papa, que explicou que a "dupla força" da religião é, por um lado, renovar o homem, e, por outro, dar a ele força espiritual e humana, para um justo controle de seu corpo.

Em Yaoundé, o pontífice foi recebido por dezenas de milhares de camaroneses, que, usando roupas coloridas, cantando e carregando cartazes, aclamaram Bento XVI, que se deslocou no papamóvel, para facilitar ser visto pelos fiéis.

No aeroporto, o papa foi recebido pelo presidente, o católico Paul Biya, e sua esposa, que usava um conjunto rosa brilhante e um chapéu grande com cruzes desenhadas.

Após ressaltar que chega à África como pastor, "para confirmar meus irmãos na fé", Bento XVI passou a falar totalmente sobre os problemas que afetam o continente.

O pontífice denunciou que a África sofre, "de forma desproporcional", com fome, pobreza e doenças, e assegurou que seus habitantes "imploram a fortes vozes" por reconciliação, justiça e paz.

Ele condenou o tráfico de humanos, especialmente de mulheres e crianças, crime que considerou "uma forma moderna de escravidão".

"Em um continente que, no passado, viu tantos de seus habitantes serem cruelmente raptados e levados ao outro lado do oceano como escravos, o tráfico de seres humanos, especialmente de mulheres e crianças desarmados, se transformou em uma forma moderna de escravidão", disse o papa ao presidente camaronês.

Bento XVI ressaltou que, em um tempo como o atual, "de escassez de comida, de desordem financeira e de modelos desordenados pela mudança climática", a África sofre desproporcionalmente, e um número cada vez maior de habitantes é afetado pela fome, pela pobreza e pela doença.

Nesse ponto, o papa pronunciou três "nãos": não a novas formas de opressão econômica ou política, não à imposição de modelos culturais que ignoram o direito à vida dos ainda não nascidos - em alusão ao aborto - e não às rivalidades interétnicas e inter-religiosas.

Sobre a questão do aborto, o pontífice destacou a necessidade de, em Camarões, serem defendidos "claramente" os direitos dos não nascidos.

Ele pediu a reconciliação dos povos africanos e destacou que, em Camarões, onde os católicos são um quarto da população (quase cinco milhões), a Igreja está preparada para levar adiante sua missão em favor da saúde e da união dos habitantes do continente.

Em relação ao tema sanitário, destacou o trabalho dos centros católicos e considerou elogiável que os doentes com aids recebam tratamento gratuito em Camarões.
Bento XVI disse ainda que os cristãos não podem ficar calados perante a dor ou a violência, a pobreza ou a fome, a corrupção ou o abuso de poder.

Amanhã, o papa se reunirá com os bispos e com representantes de outras denominações cristãs.

O motivo da primeira viagem do pontífice ao continente é entregar às Conferências Episcopais da África o "Instrumentum laboris" - documento de preparação - do 2º Sínodo para a África, que será realizado em outubro no Vaticano.
A escolha de Yaoundé deve-se a que Camarões é um país considerado uma África em miniatura, com mais de 200 etnias.

De Camarões, Bento XVI irá à Angola, onde comemorará em Luanda o 500º aniversário da evangelização desse país.




1 em cada 4 sul-africanos de 15 a 49 anos tem o vírus e país reage com lentidão à doença

LOURIVAL SANT’ANNA - Enviado especial Domingo, 15 de setembro de 2002 http://www.lourivalsantanna.com/afri0015.html

JOHANNESBURG - Não fomos nós que os encontramos. Foram eles que nos encontraram. "Vocês são da imprensa?", perguntou Nonhlanhla Theodora Sigasa, olhando para o meu bloco de anotações e o equipamento do fotógrafo Dida Sampaio. Ela caminhava com seu amigo Mlungisi William Milhembu pela área de um teatro abandonado, onde estavam acampados sem-terra do mundo todo, inclusive dois do Brasil, durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável. Nonhlanhla e Mlungisi, ambos de 21 anos, ambos infectados com o vírus HIV, distribuíam panfletos sobre prevenção contra a aids. E queriam divulgar sua causa.

Nonhlanhla tinha 13 anos quando começou a ser abusada por seu primo, de 25. Isso durou três anos. Em 1999, quando ela já tinha 18, ele voltou a assediá-la, mas ela resistiu. "Não importa. Eu já estava infectado naquela época", zombou o primo. Nonhlanhla foi fazer o exame e descobriu que ele não estava brincando. Parou de estudar e se entregou à depressão. "Quando fiquei sabendo, senti que o mundo tinha acabado para mim", diz ela, ao lado de seu amigo Mlungisi, que conta ter sido infectado por uma namorada.

O flagelo da aids atingiu em cheio a África do Sul - alguns dizem que ele veio substituir o apartheid. Um em cada quatro sul-africanos de 15 a 49 anos de idade está infectado pelo vírus. No total, são cerca de 5 milhões. Muitos sul-africanos ainda não conhecem ou se recusam a usar preservativos, numa sociedade de intensa promiscuidade sexual. Um componente da alta criminalidade na África do Sul são os freqüentes casos de estupro, muitas vezes por homens infectados. Há um mito, entre os mais ignorantes, de que uma relação com uma virgem os curaria.

Até o fim do ano passado, o governo de Thabo Mbeki mantinha uma posição tímida em relação ao problema. O presidente chegou a afirmar que as drogas anti-retrovirais, amplamente usadas no mundo, poderiam ter efeitos colaterais tão graves quanto a doença. Os médicos de hospitais públicos não tinham permissão para prescrever essas drogas e algumas instituições de caridade contrabandeavam do Brasil a versão genérica do medicamento.

Em abril, o governo instituiu novas diretrizes, respaldando o uso das drogas anti-retrovirais. Nos hospitais públicos, elas passaram a ser dadas a bebês que nascem infectados. Mlungisi e Nonhlanhla não têm acesso a essas drogas, que continuam muito caras. Mas recebem comprimidos de vitaminas B e C e orientações sobre a alimentação, em clínicas públicas. E se dedicam a distribuir o remédio mais eficaz contra a aids, e mais escasso na África do Sul: a informação.

Copyright © O Estado de S. Paulo. Todos os direitos reservados


PARA SABER MAIS:
 
http://www.midiaindependente.org/pt/red/2009/03/443214.shtml
http://www.portaldafamilia.org/artigos/artigo248.shtml

Iniciamos nossa viagem com uma propaganda sobre camisinha, se vocês leram as reportagens e os textos devem ter percebido que há posicionamentos divergentes entre as religiões e aos homens quanto ao seu uso e você, o que acha do uso do preservativo?
Tarefas:
1º Identificar a teoria da Igreja Católica sobre o uso da camisinha e sua jusificativa:
2º Existem Igrejas e/ou Templos religiiosos que são a favor do preservativo?
3º O que você achou da propaganda da camisinha exposta no vídeo? Será que ela pode influenciar o seu uso? Ela valoriza o perfil do negro africano? Como? Você acha importante esse tipo de propaganda? Por que?
4º Você á a favor de um casal se manter virgem até o casamento? Justifique sua resposta:
5º O uso do preservativo evita só a contaminação pelo vírus HIV/AIDS? Se não, que outras doenças ela pode evitar?
6º É seguro usar apenas a camisinha para evitar a gravidez?
7º A camisinha tem tamanhos diferentes?
8º O homem deve usar um preservativo de tamanho diferente do seku pênis? Se não, por que?
9º Caso uma mulher venha a ser estuprada, você sabe o que ela deve fazer para se proteger de uma possível gravidez?
10º Você sabia que se uma mulher for estuprada, (no Brasil e aqui  na Bahia também) ela tem o direito de ser atendida por Centros de Atendimentos a AIDS (CTA)? Sabe o que eles fazem para proteger a mulher de uma possível contaminação do vírus da AIDS (HIV)? Pesquise no seguinte site: http://www.hiv.org.br/internas_materia.asp?cod_secao=acontece&cod_materia=795

Após realizar suas tarefas, aproveite e faça o comentário aqui no post, para confirmar sua vinda aqui.
Abraços,
Leila Cristina

terça-feira, 19 de abril de 2011

ABORTO

Iniciaremos 2011 com mais uma temática polêmica:

O ABORTO!

Assistimos ao vídeo Era uma vez Uma outra Maria (Instituto Promundo) e discutimos sobre as questões de gênero e os processos de construção do que é ser mulher, discutindo como nossa sociedade constrói um perfil feminino, impondo-nos, normas comportamentais e atitudinais.

Vimos que mulher não pode:

Brincar de bola;
Assistir ao jogo de futebol, pois tem que lavar a louça;
Ser jogadora ou árbitro de futebol;
Sentar de pernas abertas;
Se masturbar;
Dizer não ao homem...
A professora parou por diversas vezes o vídeo, com abordagens provocativas e 'abriu' ao debate, surgiram conflitos entre as meninas e os meninos, mas foi legal.
Os alunos ficaram frustados, quando a professora parou na 'parte' em que a adolescente (desenho animado) fica grávida. E veio com mais uma provocação: E ai galera! A menina faz o aborto ou deixa o baby nascer? Vocês são contra ou a favor do aborto?
Como a grande maioria votou contra, ela provoca e se...
Considere as seguintes situações:
Se um pai, tio, irmão, avô ou outro parente engravidar a adolescente?
Se a adolescente for estuprada?
Se o namorado, noivo ou marido estuprá-la?
Se o bebê for anencéfalo ou (outras deformidades). Clica ai em baixo e saiba mais sobre anencefalia:
AGORA RESPONDA VOCÊ É A FAVOR OU CONTRA O ABORTO?

Antes de decidir leia as postagens abaixo:
O que diz a religião espírita:

O que diz a religião católica:

Se você é de outra religião, consulte a opinião do pastor ou outra pessoa de confiança.

O que diz o nosso código Penal:

Argumentos contra e a favor do aborto:

Você sabia que no orkut tem comunidades que debatem sobre esta temática? Visitem estas comunidades e decidam com qual das duas vocês vão se identificar e adicione no seu perfil.

Lembrem-se de criar o seu final para a história da adolescente do vídeo a Maria. Continuaremos na próxima aula o final do vídeo e terminaremos o debate, ao final teremos que colocar nossas idéias no papel, nosso texto terá que ser validado com as leituras dos links acima disponibilizados. Caprichem no texto argumentativo.

Bjsssssssss

Profª de Cultura Baiana Leila Cristina

sábado, 16 de outubro de 2010

INFIBULAÇÃO

Uma das nossas alunas nos questionou:
Professora o que é Circuncisão feminina que acontece na África?
Como não acho que devemos dar simplesmente uma resposta rápida e sem contexto histórico, para não gerar preconceitos e análises precipitadas do comportamento de culturas desconhecidas por nós, coloco aqui alguns caminhos para descobrirmos o que significa esta prática.
1. Leia o conceito sobre infibulação:
Ligação por meio de anel ou fivela. / Ant. Oclusão do prepúcio ou dos grandes lábios da vagina por meio de um anel ou sutura, a fim de impedir o coito ou a masturbação. http://www.dicionariodoaurelio.com/Infibulacao
2. Veja o mapa aonde acontece a mutilação genital feminina:



3. Fotos para serem analisadas:

Estes apetrechos são utilizados para fazer a circuncisão, geralmente por parteiras e sem o mínimo de higiene, nem usam qualquer anastesia.


5. AS TAREFAS:
a) Vá nos sites de pesquisa (google, yahoo, cade entre outros) e coloque as palavras Infibulação e religião e descubra o que esta prática tem haver com a religião local.
c) Descubra em quais países fora da África se pratica a infibulação.
Fazer um resumo manuscrito, para discutirmos em sala. 
Profª Leila Cristina

UNICEF e UNFPA pedem fim da mutilação genital feminina

Nova York - Por ocasião do Dia Internacional de Tolerância Zero da Mutilação Genital Feminina e da Excisão (MGF/E), celebrado hoje, os Diretores do UNFPA, Fundo de População das Nações Unidas, Babatunde Osotimelhin, e do UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância,  Anthony Lake, renovaram, num comunicado conjunto, o seu empenho em por um fim a essas práticas, que já vitimaram de 100 a 140 milhões de mulheres em todo o mundo.
“Apelamos à comunidade internacional, para que se associe a nós neste esforço essencial. Juntos, podemos abolir a MGF/E no espaço de uma geração e ajudar milhões de jovens e mulheres a terem uma vida mais saudável e plena”, afirmam.
A MGF/E consiste na extração parcial ou total dos orgãos genitais externos – realizada por razões culturais ou de outra natureza, sem justicação médica – causando dores agudas e provocando por vezes hemorragias prolongadas, infecções, infecundidade e até a morte.
“Todas as jovens merecem crescer sem serem sujeitas a essas práticas nefastas que põem em risco o seu bem-estar. No entanto, todos os anos três milhões de mulheres jovens são expostas a essa prática, que tem efeitos graves, imediatos e a longo prazo, e que constitui uma violação flagrante dos direitos humanos”, acrescentam Babatunde Osotimehin e Anthony Lake.
A MGF/E existe em certos países da Ásia e do Oriente Médio e, em menor medida, em certas comunidades de imigrantes na Europa, Austrália, Canadá, Nova Zelândia e Estados Unidos. Mas é na África que a prática está mais disseminada; por esta razão, o UNFPA e o UNICEF apoiam, há três anos, um programa comum que visa ajudar as comunidades locais a abandonarem essas práticas.
Em parceria com governos, ONGs, líderes religiosos e tradicionais de grupos comunitários, esse esforço levou ao abandono da MGF/E em mais de 600 comunidades da Etiópia, Egito, Quênia, Senegal, Burquina Faso, Gâmbia, Guiné e Somália. É uma prova de que “as normas sociais e as práticas culturais mudam” e de que “as comunidades se unem para proteger os direitos das mulheres jovens”, acrescentam os diretores do UNFPA e do UNICEF. O trabalho é concentrado em 12 dos 17 países africanos prioritários, onde ambos os organismos da ONU têm conseguido resultados animadores: na Etiópia, por exemplo, a taxa de prevalência da MGF/E passou de 80% para 74%; no Quénia, baixou de 32% para 27%; e no Egito, desceu de 97 para 91%.
(Divulgado pelo Centro de Notícias da ONU-UNIC)

domingo, 29 de agosto de 2010

Galera é só clicar nos links e ler as estorinhas em quadrinhos

Começamos a ler estes gibis em sala com a ajuda do datashow, agora se tiver curiosidade e quiser leiam as outras estorinhas, achei elas muito legais e educativas.
Para ter acesso e só clicar nos links e ler, se quiser faça comentários sobre cada uma delas aqui no blog, o que vc achou dos conteúdos abordados? E da atividade em sala?

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188266por.pdf

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188271por.pdf

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188270por.pdf

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188269por.pdf

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188268por.pdf

http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001882/188267por.pdf


Caso queiram guardar no seu computador é só ir em arquivo salvar como e vc coloca numa pasta em documentos, lembrem-se que tem que criar uma pasta antes. Agora para fazer isto, é necessário que vocês tenham um programa chamado ADOBE instalado no seu computador, se ñ tem, vai no google e digita lá: Adobe 10 download gratuito, salvar em desktop de preferência, e seguir as instruções, acho que vai pedir para desconectar e conectar em seguida.
Abraços,
Leila Cristina

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Para assistir, pensar e refletir.

Clica no vídeo ai abaixo, assita a entrevista e responda, o que estas moças e seus parceiros poderiam fazer para evitar o problema pelos quais estão passando? Depois volta aqui e deixa o seu depoimento no espaço comentários.


Se não conseguir abrir por aqui, clica no link abaixo:
http://www.youtube.com/watch?v=UQwRYa1x2bo&feature=related

terça-feira, 22 de junho de 2010

Tarefa de Férias - ler sobre homofobia

HOMOFOBIA
http://www.rea.pt/homofobia.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Homofobia_interiorizada
http://www.abglt.org.br/port/homofobia.php
http://www.presidencia.gov.br/estrutura_presidencia/sedh/brasilsem/

Tarefas:
1º Entre nos sites acima e retire os fatos que vocês acharem mais importantes;
2º Agora faça o seu resumo no caderno;
3º Elabore uma redação de 20 linhas, com a seguinte temática: Eu sou homofóbico? O título da sua redação fica a seu critério.
LEMBRETE: A MELHOR REDAÇÃO SERÁ POSTADA AQUI.

Boa sorte!
bjs da profª Leila Cristina

terça-feira, 15 de junho de 2010

Prospectos Educativos Coletados



























































































































Agradecimentos:


Alba Sousa - Coordenação Estadual de DST/Aids
Pelo seu pronto atendimento a nossa solicitação de material informativo.


A Empresa Bayer
Pelo excelente curso e material educativo também.












































































































































Catalogando Referências





Vamos ler esses paradidáticos da coleção de Ziraldo? Faremos uma bela resenha, portanto leiam com atenção.

Acervo da Escola EMHBA, agradecemos a nossa bibliotecária Vera, pela dedicação e paciência em garimpar material para nossa pesquisa.













Vídeo assistido e analisado pelos alunos do 8º e 9º anos, com o objetivo de analisar o comportamento sexual dos jovens e elaborar uma redação.
A aluna que se sobressaiu foi Marley Kelly, leiam sua análise postada neste blog.
























Vídeo sobre sexualidade na adolescência





































































Aborda homosexualidade X preconceito


Gravidez na adolescência X aborto